29 de janeiro de 2013

Maranhão berço de heróis.


História.
.
Foram os espanhóis os primeiros europeus a chegarem, em 1500, à região onde hoje se encontra o Estado do Maranhão. Em 1535, no entanto, verificou-se por parte dos portugueses, uma primeira tentativa fracassada de ocupação do território. Foram os franceses que realizaram a ocupação efetiva iniciada em 1612, quando 500 deles chegaram em três navios e fundaram a França Equinocial. Seguiram-se lutas e tréguas entre portugueses e franceses até 1615, quando os primeiros retomaram definitivamente a colonia. Em 1621, foi instituído o Estado do Maranhão e Grão-Pará, com o objetivo de melhorar as defesas da costa e os contatos com a metrópole, uma vez que as relações com a capital da colonia, Salvador, localizada na costa leste do oceano Atlântico eram dificultadas, devido às correntes marítimas.

Invasão dos Holandeses
Em 1641, os holandeses invadiram a região e ocuparam a ilha de São Luiz, nomeando o povoado em homenagem ao rei Luiz XIII. Três anos depois, foram expulsos pelos portugueses. A separação do Maranhão e Pará veio a ocorrer em 1774, após a consolidação do domínio português na região. A forte influência portuguesa no Maranhão fez com que o Estado só aceitasse em 1823, após intervenção armada, a independência do Brasil de Portugal, ocorrida em 7 de setembro de 1822. No século XVII, a base da economia do Estado encontrava-se na produção do açúcar, cravo, canela e pimenta; no século XVIII, surgiram o arroz e o algodão, que vieram a se somar ao açúcar, constituindo-se estes três produtos a base da economia escravocrata do século XIX.

Sirios-libaneses e migrantes Cearenses, aumentaram a produção.
Com a abolição da escravatura, a 13 de maio de 1888, o Estado enfrentou um período de decadência econômica, do qual viria a se recuperar no final da primeira década do século XX, quando teve início o processo de industrialização, a partir da produção têxtil. O Estado do Maranhão recebeu duas importantes correntes migratórias ao longo do século XX. Nos primeiros anos chegaram os sírio-libaneses, que se dedicaram inicialmente ao comércio modesto, passando em seguida a empreendimentos maiores e a dar origem a profissionais liberais e políticos. Entre as décadas de 40 e 60 chegou grande número de migrantes originários do Estado do Ceará, em busca de melhores condições de vida na agricultura. Dedicaram-se principalmente à lavoura de arroz, o que fez crescer consideravelmente a produção do Estado. 

Hino.Conheça o Hino do Estado do Maranhão - Clique Aqui 


 Cultura


A riqueza do acervo arquitetônico, as belezas naturais, a variedade de pratos típicos e efervecência cultural fazem do Maranhão o lugar ideal para quem busca diversão. Beleza, tradição, variedade, magia. Estas são palavras que traduzem um pouco da rica cultura popular do Maranhão. Não poderia ser diferente. A miscigenação das raças negras, brancas e indígenas, está presente em quase tudo aquilo que define a identidade cultural do Estado: no artesanato, na construção de embarcações típicas, nas danças e folguedos, nas festas, na culinária, na música e na tradição oral; Bumba-meu-boi, Tambor de Crioula e Caroço, Carnaval, São João, Divino Espírito Santo; as lendas da Serpente, do Touro Encantado e de Ana Jansen são resultados de uma síntese fascinante, marcada pela criatividade, tradição e participação popular que fazem do Maranhão um estado turisticamente grandioso.

Artesanato Maranhense.
Criativo e diversificado. É assim o artesanato maranhense. Vasos, bolsas, chinelos, toalhas, chapéus, miniaturas inspiradas em símbolos da cultura regional são apenas alguns exemplos dessa grande produção que, nas mãos dos artistas locais, ganham sempre novos tons, cores e formas. As matérias primas são variadas. Algodão, couro, madeira, argila e até a fibra de uma planta que pouca gente conhece, o guarimã. Mas o forte mesmo é a palha do buriti. A palmeira, própria de regiões alagadas, é comum nos municípios dos Lençóis Maranhenses. 

É da palha do buriti que se extrai uma fibra versátil e resistente que dá origem a dezenas de peças comercializadas nas lojas e mercados e centros de artesanato. Em Rosário destaca-se a produção de peças de cerâmica. E na colônia de pescadores da Raposa sobressai-se a produção de renda. Em São Luís vale a pena adquirir algumas das concorridas miniaturas retratando personagens típicos de São Luís: sorveteiros, verdureiros, carvoeiros, que ainda hoje oferecem seus produtos, fazendo pregões pelas ruas. Finalmente os boizinhos, pequenas e delicadas réplicas dos bois, grandes atrações durante as festas de São João


 Além dos produtos artesanais, o visitante pode provar também de deliciosas guloseimas como sucos doces e bebidas feitos com frutas regionais. Quem não resiste ao exótico e tem lugar de sobra no bagageiro, também pode incluir na lista as lembrancinhas: Instrumentos musicais que dão rítimo a cultura maranhense como as matracas e os pandeiros, bancos, mesas, e portas-chave revestidos com azulejos pintados à mão, boinas e camisetas com estampas pra regueiro nenhum botar defeiro, brinquedos rústicos, quadro de pintores da terra, CDs de Músicas Maranhenses e até um refirgerante cor-de-rosa, fabricado no maranhão com gosto de canela que você vai adorar.

Bumba-Meu-Boi.
Os brancos trouxeram o enredo da festa; os negros, escravos, acrescentaram o ritmo e os tambores; os índios, antigos habitantes, emprestaram suas danças. E a cada fogueira acesa para São João, os festejos juninos maranhenses foram-se transformando no tempo quente da emoção, da promessa e da diversão. É nesta época de junho, que reina majestoso o Bumba-meu-boi. O auto popular do Bumba-meu-boi conta a estória da Catirina, uma escrava que leva seu homem, o nego Chico, a matar o boi mais bonito da fazenda para satisfazer-lhe o desejo de grávida: comer língua de boi. Descoberto o malfeito, manda o Amo (que encarna o fazendeiro, o latifundiário, o "coronel" autoridade) que os índios capturem o criminoso, que, trazido à sua presença, representa a cena mais hilariante da comédia (e também a mais crítica no sentido social). 

Para ressuscitar o boi, chama-se o doutor, cujos diagnósticos e receitas estapafúrdias ironizam a medicina. Finalmente, ressurgido o boi e perdoado o negro, a pantomima termina numa grande festa cheia de alegria e animação, em que se confundem personagens e assistentes. Com traços semelhante aos dos autos medievais, a brincadeira do Bumba-Meu-Boi existe em outras regiões do País, mas só no Maranhão tem três estilos, três sotaques, e um significado tão especial. É mais que uma explosão de alegria. É "quase uma forma de oração", servindo como elo de ligação entre o sagrado e o profano, entre santos e devotos, congregando toda a população. O Bumba-Meu-Boi, na verdade, nasce de pagamento de uma promessa feita ao "glorioso" São João, mas nas festas juninas maranhenses também se rendem homenagens a São Pedro e São Marçal. Clique e Saiba mais sobre Bumba-Meu-Boi do Maranhão 

Carnaval.
Se você quer curtir o autêntico caranaval de rua, venha para São Luís! Participe dos blocos carnavalescos que tem nomes pra lá de inusitado; C... de Asa, X... Voadora. Isso sem contar com o bloco onde a grande atração é um Jegue. Você terá muita energia para brincar pelas ruas do centro histórico. Nessa festa de cores e ritimos a diversão invade o centro da cidade e se espalha pelos bairros da capital. Nos circuitos a animação redobra no encontro dos blocos. E pra não perder o pique, a dica é saborear o delicioso caldo de ovos ou de mariscos, ou uma peixada, em pitorescos bares e restaurantes à beria mar. A ordem é repor as energias e se preparar para mais um dia de festa. Clique e saiba mais sobre o carnaval no maranhão. 
 Culinária Maranhense.
A gastronomia do Maranhão é composta por pratos que satisfazem aos mais exigentes paladares, em essência, é influenciada pelas culinárias africana, indígena e portuguesa. Dentre os pratos mais exóticos, se destaca o cuxá, mas temos pratos feitos à base dos seguintes frutos do mar: peixes, camarões, carangueijos, siris e sururus que tornam a nossa culinária uma das mais variadas e deliciosas do Brasil. A terra também traz suas delícias. São os doces, sucos, cremes e licores de frutas típicas como bacuri, cupuaçu, murici, cajá, sapoti, juçara (ou açaí), buriti, jenipapo e graviola. 

Não dá para resistir a este cardápio! A típica cozinha maranhense é também caracterizada pelo cuscuz de milho, bolo de macaxeira, macaxeira cozida, queijo coalho, canjica, pamonhas, o pé-de-moleque, o beiju, à base de tapioca, amendoim, arroz doce e cuscuz de coco. As frutas regionais, além da bela aparência de suas cores, são deliciosas. Temos aqui cajá, caju, manga, mangaba, graviola, pitanga, acerola, sapoti, bacuri, abricó, que são usados no preparo de deliciosos sucos, doces e bebibas regionais. Clique e saiba mais sobre a culinária maranhense.
 Danças Tipicas do Maranhão.
Os brancos trouxeram o enredo da festa; os negros, escravos, acrescentaram o ritmo e os tambores; os índios, antigos habitantes, emprestaram suas danças. E a cada fogueira acesa para São João, os festejos juninos maranhenses foram-se transformando no tempo quente da emoção, da promessa e da diversão. É nesta época de junho, que reina majestoso o Bumba-meu-boi. Verdadeira explosão de ritmos e cores, o Bumba-meu-boi é a mais importante manifestação folclórica do Maranhão. Suas raízes são negras, indígenas e européias, e suas origens se perdem no tempo. A brincadeira gira em torno de um auto, história encenada com muito humor pelos componentes, contando a história de Pai Francisco. Clique e saiba mais sobre a dança maranhense.

Festas Populares.
O Centro de Cultura Popular Domingos Vieira Filho mantém, no Setor de Pesquisa e Difusão Cultural, um Cadastro de Grupos Folclóricos e Festas Populares do Maranhão, no qual estão cadastrados grupos carnavalescos, grupos juninos, grupos de Tambor de Crioula, grupos mirins e festas do Divino Espírito Santo (65 festas em São Luís e 82 em municípios do interior do Maranhão). Clique e saiba mais sobre as festas populares do maranhão.

Lendas do Maranhão.
Lendas e mistérios povoam o imaginário popular em São Luís do Maranhão. Fantasmas, animais encantados e carruagens de fogo fazem parte da crendice popular, que ainda hoje encanta crianças e adultos. Clique e saiba mais sobre as festas populares do maranhão.

Fazer turismo no maranhão tem sido a opção de muitos brasileiros e estrangeiros, é um dos Estados mais procurados para turismo no brasil, pois tem uma vasta riqueza ecológica. Localizado entre as regiões Norte e Nordeste, o Maranhão tem o privilégio de possuir, a maior diversidade de ecossistemas de todo o País. Há vários pontos turísticos em toda região como: Lagoa da Janse, Praias, centro histórico e os lencóis maranhenses que é um paraíso a céu aberto, que encanta turístas de todo o mundo com seus 640 quilômetros de extensão de praias tropicais, lindas paisagens, deserto com milhares de lagoas de águas cristalinas, compondo um Estado que está sendo descoberto e apreciado no mundo inteiro.

Nenhum comentário: